Quarta, 30 Novembro 2022 14:30

POPULAÇÃO CARCERÁRIA | Parceria entre Governo do Estado e IBGE permitiu realização do Censo 2022 no sistema prisional Destaque

Escrito por Wesley Oliveira
POPULAÇÃO CARCERÁRIA | Parceria entre Governo do Estado e IBGE permitiu realização do Censo 2022 no sistema prisional Arquivo/Secom-RR

Uma parceria firmada entre o Governo do Estado e o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) possibilitou a realização do Censo Demográfico 2022 no sistema prisional, que contabilizou toda a população carcerária de Roraima. A medida, que é inédita no Estado, encerrou no domingo, dia 27.

 

A contagem totalizou 2.741 reeducandos no sistema prisional de Roraima. Com esse dado, foram identificadas as características dos detentos, produzindo informações imprescindíveis para a definição de políticas públicas e a tomada de decisões de investimentos públicos.

 

A cooperação da Sejuc (Secretaria de Justiça e Cidadania) com o IBGE na realização da pesquisa decorre da garantia pessoal dos recenseadores, assegurando o cumprimento das regras de segurança e comportamento que deverão ser rigorosamente observados por todos os envolvidos.

 

“A coleta de informações foi feita diretamente com cada um dos detentos. Mas nos casos em que o contato direto era impossibilitado por questões de segurança, a coleta pôde ser feita com a prestação de informações por agentes envolvidos com os procedimentos institucionais de produção dos registros administrativos, designado pelo gestor local dos centros de detenção, ou mesmo ainda por meio do manuseio direto dos registros pelo recenseador”, disse o secretário de Justiça e Cidadania, André Fernandes.

 

A PARCERIA

 

A parceria que permitiu agilizar o processo do Censo 2022 no Estado foi reforçada na sexta-feira, 25, durante encontro do governador Antonio Denarium e o superintendente estadual do IBGE em Roraima, Roberto Kuerten.

 

O esforço buscou atingir um resultado eficiente e mais próximo da realidade de Roraima, o que vai garantir que tanto o Governo Federal e do Estado tenham dados para balizar políticas públicas de qualidade para a próxima década.