Quarta, 26 Outubro 2022 09:05

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR | Governo de Roraima distribuiu 170 toneladas de gêneros alimentícios em 2022 Destaque

Escrito por Mágida Azulay Khatab
ALIMENTAÇÃO ESCOLAR | Governo de Roraima distribuiu 170 toneladas de gêneros alimentícios em 2022 Secom/RR

A hora do recreio é sempre muito esperada por todos os estudantes. É o momento de pausa das atividades em sala de aula para se alimentar e repor as energias. Na rede estadual de ensino, os alunos dispõem de uma merenda de alta qualidade, tornando esse momento muito mais saboroso e nutritivo.

 

“Os alunos têm gostado bastante, até hoje não vimos nenhuma reclamação. As merendas são canja, arroz com frango e legumes, paçoca com arroz, arroz doce. Esse cardápio de certa forma nos ajuda uma vez que estamos estudando e precisamos nos alimentar bem”, disse Laís de Oliveira, que é estudante do 9° ano da Escola Maria Raimunda Mota de Andrade, no bairro Pintolândia.

 

Desde o início do ano letivo 2022 até este mês de outubro, o Governo de Roraima por meio da Seed (Secretaria de Educação e Desporto), distribuiu 170 toneladas de gêneros ‘secos’ como arroz, macarrão, feijão, farinha, além de proteínas como carne, filé de tambaqui (peixe), frango, charque.

 

Além de mais 110 toneladas de gêneros da agricultura familiar que inclui hortaliças, legumes, polpa de frutas e frutas como laranja, banana, melão, melancia, entre outras. Até o final de 2022, serão investidos R$ 16 milhões somente com a agricultura familiar.

 

Esses produtos saudáveis e de excelente qualidade permitem pratos balanceados preparados pelos merendeiros que atuam nas escolas. O cardápio inclui sopas, “Maria Isabel”, saladas, peixe assado, macarronada, paçoca, além da oferta de frutas, sucos, achocolatados e biscoitos.

 

Dilvania Santos da Costa, é merendeira na Escola Estadual Cívico-Militar Fagundes Varela, no bairro Nova Cidade. Ela disse que sua satisfação é ver os estudantes bem alimentados.

 

“É com muito amor eu saio de casa todos os dias para fazer a merenda dos alunos. Eu saio da escola satisfeita sabendo que todos vão voltar para casa bem alimentados, pois sabemos que às vezes eles não tem essa alimentação em casa”, disse Dilvania.

 

Os gêneros secos são entregues a cada 20 dias e os produtos da agricultura familiar, a cada dez. Os mesmos produtos entregues nas escolas da Capital, também chegam para escolas do interior e de comunidades indígenas. A logística da entrega dos produtos é realizada pelo DAE (Departamento de Apoio ao Educando), da Seed.

 

“Além dos produtos, a Seed também realiza a entrega periódica de gás de cozinha e recentemente também distribuiu utensílios de cozinha para estruturar as copas das escolas. Foram entregues colheres, pratos, copos, panelas, escumadeiras, frigideiras, peneiras, facas, entre outros itens que há anos as escolas não recebiam”, ressaltou o diretor o DAE, Naicon Rodrigues.

 

AGRICULTURA FAMILIAR INDÍGENA

 

Uma novidade da alimentação escolar em 2022 é a aquisição, pela primeira vez de gêneros alimentícios direto da agricultura familiar indígena. Além de fomentar a produção das comunidades indígenas, o Estado também cumpre determinação prevista no PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar).

 

Atualmente essa aquisição está ocorrendo nos municípios de Uiramutã, Normandia, Pacaraima e Boa Vista Rural. A Seed adquire os gêneros dos produtores indígenas para abastecer as escolas indígenas localizadas nesses municípios. A alimentação dos estudantes fica mais nutritiva, regionalizada e é muito bem aceita por eles por se tratar de produtos os quais já conhecem e estão acostumados. 

 

Entre esses produtos estão beiju, castanha do Pará, cará branco e roxo, caruru, farinha de tapioca, farinha de mandioca, café, feijão verde, galinha caipira, peixe regional, carne, ovo de galinha caipira e pimenta.

 

Além de frutas como banana, abacaxi, laranja melancia, limão, e ainda abóbora, couve, cheiro verde, macaxeira, batata doce, inhame, milho verde e polpa de frutas de buriti, bacaba, açaí, cupuaçu e taperebá.

 

Os produtores e grupos formais foram contratados por meio de uma Chamada Pública e desde o mês de maio, vem atendendo as escolas. Até o final do ano, serão investidos R$ 2,5 milhões na aquisição desses produtos regionais.