Quinta, 20 Outubro 2022 09:05

LINHÃO DE TUCURUÍ | Governo de Roraima e Ministério de Minas e Energia formalizam liberação para início de obras Destaque

Escrito por Júlia Rocha
LINHÃO DE TUCURUÍ | Governo de Roraima e Ministério de Minas e Energia formalizam liberação para início de obras Secom-RR

Nesta quarta-feira, 19, o governador Antonio Denarium, juntamente com o Ministro de Minas e Energia, Adolpho Sachsida, o presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior e demais autoridades participaram da solenidade de concretização de acordo para a interligação Manaus – Boa Vista do linhão de Tucuruí. O evento ocorreu no Palácio Senador Hélio Campos.

 

A linha de transmissão, esperada há 30 anos pela população, vai interligar Roraima ao SIN (Sistema Interligado Nacional). A subestação será construída na BR-174, na região do Monte Cristo, zona rural de Boa Vista.

 

Quando o governador Antonio Denarium assumiu o Estado, ainda quando interventor em dezembro de 2018, o projeto do linhão estava parado no STF (Supremo Tribunal Federal). A partir daí, o Governo de Roraima e o Governo Federal, trabalharam em parceria para que as obras finalmente acontecessem.

 

Em agosto deste ano, a Justiça revogou a suspensão da obra. Com a decisão, foram reiniciadas as negociações com as comunidades da terra indígena waimiri-atroari, por onde passará a linha de transmissão de energia elétrica.

 

“Gostaria de agradecer ao presidente Bolsonaro pela parceria e pelo apoio para que essa obra fosse iniciada. Essa nova fase vai permitir a Roraima um marco muito importante para o desenvolvimento de toda a Região Norte, que será concluída ainda no nosso próximo mandato”, reforçou Denarium.

 

HISTÓRICO E PROGRESSOS

 

Roraima é o único Estado brasileiro não integrado ao Sistema Interligado Nacional, um conjunto de instalações e de equipamentos que possibilitam o suprimento de energia elétrica nas regiões do País que estão conectadas à rede.

 

Em março de 2019, houve o corte da transmissão de energia da Venezuela, e Roraima passou a obter energia elétrica somente de suas termelétricas, com um consumo diário variável entre 700 a 1.100 mil litros de combustível.

 

Anteriormente, em 2021, o presidente da República, Jair Bolsonaro, veio a Roraima e concedeu a autorização de instalação e a licença ambiental. Essas obras foram aprovadas pelo Conselho de Defesa Nacional. No entanto, foi importante trabalhar pela via de negociação com os povos indígenas waimiri-atroari, estabelecendo um acordo judicial para compensação ambiental no valor de R$ 90 milhões.

 

O ministro de Minas e Energia, Adolpho Sachsida, acredita que além do aspecto econômico, social e ambiental, essa obra tem o aspecto moral. “Roraima é um importante estado da nossa Federação e tem que estar ligado ao sistema energético. Ou seja, vamos ter uma energia limpa, segura e barata para a população”, disse.

 

A OBRA

 

Segundo o Ministério de Minas e Energia, nos próximos 36 meses, serão construídos cerca de 715 km de linha de transmissão. Deste total, 425 km passarão pelo estado de Roraima e 290 km no Amazonas, margeando a BR-174, rodovia federal que liga as duas capitais brasileiras.

 

Com a obra, haverá a redução de custo para os consumidores de todo país, a ampliação da segurança do atendimento à capital Boa Vista e a redução do uso de combustíveis fósseis. “O empreendimento constitui a maior ação ambiental do Ministério de Minas e Energia, com a redução de geração de energia elétrica de fontes de combustíveis fósseis, além de gerar mais de 4 mil empregos diretos e indiretos”, detalhou Sachsida.

 

Para a presidente da Fier (Federação das Indústrias do Estado de Roraima), Izabel Itikawa, é importante destacar a importância da obra do Linhão de Tucuruí para a indústria roraimense.

 

“Hoje esperançosamente recebemos esse acordo com muita alegria e motivação de que vai alavancar economicamente o nosso Estado. Além disso, vai trazer novos investidores que, por meio dessa notícia, podem comprovar a mudança da matriz econômica em Roraima”, complementou.