Sexta, 24 Junho 2022 10:17

OPERAÇÃO LIGA DE DELOS | Sesp participa de coletiva para esclarecer apreensões relacionadas ao crime organizado Destaque

Escrito por Salete Giacomet
OPERAÇÃO LIGA DE DELOS | Sesp participa de coletiva para esclarecer apreensões relacionadas ao crime organizado Ascom/ Sesp

Com o objetivo de prestar esclarecimentos acerca das apreensões ocorridas na manhã desta quinta-feira, 23, as instituições que integram a Força-Tarefa de Segurança Pública (Polícias Federal, Civil, Militar e Penal e as Secretarias de Justiça e Cidadania e da Segurança Pública) realizaram, na manhã desta quinta-feira, 23, uma coletiva de imprensa na sede da PF (Polícia Federal).

A operação, denominada de “Liga de Delos”, composta por mais de 80 policiais cumpriu 40 mandados de prisão preventiva e três mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça, por meio da Vara de Entorpecentes e Organização Criminosa da Justiça Estadual.

A maioria desses mandados é de indivíduos que já estão cumprindo pena no Sistema Penitenciário de Roraima. Do total de 40 alvarás expedidos, 17 são de pessoas em liberdade e os demais, 23, são de apenados.

Todos os investigados possuem antecedentes criminais por diversos crimes, tais como latrocínio, homicídio, estupro, sequestro, tráfico e associação para o tráfico de drogas, roubo, furto, lesão corporal, violência doméstica, receptação, etc., e o crime imputado aos investigados é o de participação em organização criminosa armada.

De acordo com o secretário da Sesp, coronel Edison Prola, a integração das forças policiais foi fundamental para o êxito da operação.

“O trabalho integrado das instituições de segurança nos permitiu conhecer de forma mais aprofundada as ações dos criminosos, principalmente aquelas realizadas pelas duas principais facções que agem no território brasileiro. E é importante ressaltar que a crise causada pela imigração venezuelana contribuiu para o aumento dos índices da criminalidade aqui no Estado. Nos últimos dois anos ficou constatado que a maioria das drogas e armas que entraram no estado foi proveniente do país vizinho, via fronteira com Santa Elena de Uairén/Pacaraima”, enfatizou.

Durante os três anos de atuação da FTSP no Estado, 165 delinquentes estrangeiros foram presos.  Ainda, segundo as estatísticas da Audiência de Custódia do TJ/RR (Tribunal de Justiça), em 2019, no auge da crise migratória, foi registrada a participação de venezuelanos em 50% dos crimes de furto, 33% nos de roubo, 18% nos homicídios, 50% nos estupros e 21% do tráfico.

“Sabemos que Pacaraima é a principal porta de entrada de imigrantes venezuelanos, que fogem da crise e da fome e vêm em busca de uma vida melhor no Brasil, mas também não podemos negar que é por onde entram drogas, armas e criminosos estrangeiros, aumentando o potencial do município em se transformar numa fronteira problemática, com muitas apreensões e prisões de indivíduos”, ressaltou o secretário.

Ele esclarece ainda que a FTPS foi criada devido, principalmente, ao aumento da criminalidade em Roraima.

“Com o crescente número de imigrantes, o crime organizado viu uma facilidade em cooptar estrangeiros e isso ocasionou um considerável aumento dos índices de criminalidade, principalmente de roubos, furtos e homicídios. Essa ascensão e fortalecimento das facções e do crime organizado no Estado levaram o Governo a atuar de forma incisiva, unindo o trabalho das instituições, primeiramente no controle do Sistema Prisional, com a intervenção e retomada do controle das unidades que estavam sob domínio das facções criminosas, e paralelo a isso, fez investimentos pesados na área, tais como reforma, construção e inauguração de novos presídios, aquisição de viaturas, armas, munições e demais equipamentos essenciais. Capacitações profissionais, promoções, concursos públicos, chamamento de mais de 800 policiais militares e de 400 policiais penais, bem como o Programa Polícia na Rua foram ações decisivas, que levaram a uma expressiva expansão do policiamento ostensivo, tanto na Capital, quanto no interior e reforçaram nossas forças policiais, fazendo com que o índice de furtos e roubos diminuíssem em mais de 40% no Estado”, destacou o coronel Prola.

LIGA DE DELOS

O nome da operação faz referência a uma organização militar formada por Atenas que visava proteger as cidades gregas das tropas do Império Persa, combatendo a presença dos Persas no Mediterrâneo.