Segunda, 02 Mai 2022 14:51

CUIDADOS REDOBRADOS | Roraima entra em estado de alerta para a meningite Destaque

Escrito por Minervaldo Lopes
CUIDADOS REDOBRADOS | Roraima entra em estado de alerta para a meningite Minervaldo Lopes/Ascom Sesau

O Governo de Roraima, por meio da Secretaria de Saúde, emitiu nesta segunda-feira, 2, um comunicado de risco para a meningite. O alerta ocorre após a descoberta de um caso em um menino de nacionalidade venezuelana.

Conforme o documento, a descoberta da doença ocorreu no último dia 29. Nascida no dia 11 de novembro de 2021, a criança tem apenas cinco meses e é residente de um abrigo de Boa Vista.

A nota cita ainda que os familiares da criança (pai, mãe e irmãos) são oriundos da região de garimpo de El Dorado, uma pequena cidade do leste da Venezuela. Eles entraram no Brasil no dia 5 de abril, ficando por um período de 15 dias no abrigo de Pacaraima. A vinda deles para a capital roraimense ocorreu no dia 18 do mesmo mês.

O documento também ressalta que os primeiros sintomas (febre, rigidez na nuca, dificuldade de flexionar os joelhos e dor abdominal) da criança vieram a se manifestar no dia 21, mas a internação da mesma no Hospital da Criança Santo Antônio, só veio a ocorrer no dia 25. O paciente segue sendo monitorado na UTI da unidade.

RISCO DE CONTÁGIO E A IMPORTÂNCIA DA IMUNIZAÇÃO

A meningite tem como principal característica a inflamação das meninges, que são as membranas que envolvem o cérebro, podendo acometer tanto crianças quanto os adultos. Se não imunizada, a pessoa pode ter graves sequelas, e até mesmo, evoluir ao óbito.

Segundo a nota da Coordenação Geral de Vigilância em Saúde, a criança possuía apenas a primeira dose das vacinas contra a Hepatite B, Pneumocócica 10 V, VIP e Covid-19, mas a mesma havia recebido a vacina da Meningo C no período certo (3º e 5º mês de idade).

“Ela [a criança] está internada, passando por tratamento, sendo monitorada e observada e toda a parte epidemiológica, que nesse caso é a busca ativa, também é feito uso de medicação para as pessoas que tiveram contato com esse paciente e todas as ações [de monitoramento] já foram executadas através da equipe da Vigilância Municipal”, salientou Valdirene Oliveira, coordenadora da CGVS.