Sexta, 15 Novembro 2019 19:41

NOVEMBRO AZUL | Sesau realizou ação neste feriado Destaque

Escrito por VÂNIA COELHO
A ação reforça a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata A ação reforça a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata Eides Antonelli

O Governo do Estado, por meio da Sesau (Secretaria de Saúde), realizou nesta sexta-feira, 15, atividade voltada ao Novembro Azul, destinada ao público masculino. A ação contou com três médicos especialistas que atenderam 210 homens, na Clínica Especializada Coronel Mota.

A programação teve início nos dias 13 e 14 deste mês. Na ocasião, foram feitos os pré-agendamentos dos usuários. A médica Cassandra Mangabeira falou da importância da campanha Novembro Azul como forma de conscientização e da prevenção do câncer de próstata.

“A próstata é uma glândula localizada abaixo da bexiga e, de acordo com dados do Inca [Instituto Nacional do Câncer], no Brasil, já existem mais de 68 mil homens com câncer de próstata. O exame deve ser realizado a partir de 45 anos”, explicou a médica.

Ela destacou o êxito da atividade que atendeu 210 usuários. “Nossa ação está sendo um sucesso. Já foram agendados mais 550 usuários que serão atendidos numa outra oportunidade que vamos divulgar na imprensa. Nossa expectativa foi além do que esperávamos. Realmente a procura maior é na época de ações, de campanhas”.

A falta de informação ainda é a causa de discriminação por parte de muitos homens. “É importante destacar que, infelizmente, ainda existe a situação. Alguns acreditam que os exames vão afetar a masculinidade deles. Na realidade, esses exames não vão determinar a opção sexual de nenhum indivíduo. O mais importante é a prevenção que é a melhor forma de você evitar doenças. É você estar saudável e seguro”, ressaltou.  

De acordo com a médica Cassandra, os usuários atendidos na ação desta sexta-feira estão com os retornos agendados. “Já saíram daqui com autorização do exame de sangue, que é o PSA [Antígeno Prostático Específico], que será feito em um laboratório. Todos receberam seu papel de retorno para que seja dada a continuidade com o urologista”.

Ainda conforme a médica, o diagnóstico precoce é fundamental. “É a partir daí que vamos começar a investigação. Quando o diagnóstico é precoce, a chance de cura é bem maior”, garantiu.

O autônomo Arnóbio Almino Figueiredo, de 59 anos, que aguardava na fila sua vez para ser atendido, falou da importância da consulta e declarou que antes tinha preconceito. “É a primeira vez que vou fazer o exame, por uma questão de prevenção. Confesso que antes tinha um pouco de preconceito, mas, vendo o índice de ocorrências aqui em Roraima e em outros Estados, tomei a iniciativa. Com certeza, é bom pra minha saúde. Vejo que muitas pessoas vieram participar da ação. Estão tendo mais cuidado. Gostei que escolheram um feriado, facilita muito pra quem não tem tempo em dias normais”, afirmou.   

Quem também aderiu à ação do Novembro Azul foi o pastor Raimundo Ribeiro, de 52 anos. Ele disse que a consulta médica é essencial. “A consulta médica com o urologista é de suma importância para a saúde do homem. Estou aqui para fazer o exame, porque vejo que já estou numa idade em que é preciso realizar todo ano. Se você faz o exame e detecta qualquer anormalidade, pode rapidamente encontrar a cura, até mesmo, por meio de uma cirurgia. Acredito que todos devem fazer o exame. O preconceito existe, mas temos que vencer esses tabus em nome da saúde e da vida”, finalizou.

ESTATÍSTICAS – O levantamento mais recente da Unacon-RR (Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia) aponta para a confirmação de 91 casos de câncer de próstata em Roraima nos últimos três anos, sendo 40 deles em 2017 e 37 em 2018. Até o dia 30 de setembro deste ano, a unidade contabilizou 14 casos da doença.

Dados do Inca apontam que, no Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele). É considerado um câncer da terceira idade, já que aproximadamente 75% dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do País e pelo aumento na expectativa de vida.