Terça, 11 Junho 2019 19:09

CBMRR registra aumento de ocorrências com cobras no mês de maio Destaque

Escrito por MACKSUEL LOPES e RAUSTMAN GONDIM
Os animais capturados pelo CBMRR são entregues ao Centro de Triagem de Animais Silvestres, ou liberados no meio ambiente, onde não existam presença fixa de pessoas Os animais capturados pelo CBMRR são entregues ao Centro de Triagem de Animais Silvestres, ou liberados no meio ambiente, onde não existam presença fixa de pessoas ACI/CBMRR

O CBMR (Corpo de Bombeiros Militar de Roraima) registrou, durante o mês de maio deste ano, um total de 22 ocorrências envolvendo captura/remoção de ofídios (cobras ou serpentes). Grande parte das ocorrências foi registrada nas proximidades dos igarapés urbanos dos municípios, principalmente em Boa Vista. Esse número representa a maior quantidade registrada em um único mês desde o início do ano e é também maior que a somatória de todos as ocorrências dos meses anteriores.

As ocorrências envolvendo ofídios são divididas pelo CBMRR em animais peçonhentos (com veneno) e não peçonhentos. Das 22 ocorrências atendidas em maio, cinco foram registradas com animais peçonhentos e as demais com animais não peçonhentos.

Entre janeiro e abril de 2019, o CBMRR atendeu 21 ocorrências com ofídios. Em janeiro foram 12 ocorrências, em fevereiro não foram registradas ocorrências, em março foram atendidas apenas três, em abril foram seis. Todas as ocorrências registradas nos quatro primeiros meses de 2019 foram com animais não peçonhentos.

O tenente Alexandre Capêlo, comandante da CBS (Companhia de Busca e Salvamento) do CBMRR, alerta a população para não tentar capturar. “Em caso de ocorrências com ofídios, o Corpo de Bombeiros Militar de Roraima orienta as pessoas que não tentem capturar os animais para evitar qualquer tido de acidente. A recomendação é ligar para o número 193 que enviaremos as equipes para realizar a captura do animal”, afirma.

O bombeiro destaca ainda que o período chuvoso é um dos motivos para o aumento das ocorrências com ofídios. “As cobras são animais répteis de sangue frio e precisam de lugares quentes para se aquecer. Com o início das chuvas, o solo que estava seco e quente começa a encharcar e ficar frio. Então, as cobras começam a sair dos abrigos para procurar outros locais e, nesse momento, a população fica sujeita aos ataques”.

Todos os animais capturados pelo CBMRR são entregues ao CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres), ou liberados no meio ambiente, onde não existam presença fixa de pessoas.

OCORRÊNCIAS EM 2018 - Durante todo o ano de 2018, o CBMRR atendeu 156 ocorrências envolvendo ofídios. Deste total, 33 ocorrências foram com animais peçonhentos e 123 com não peçonhentos.

Estatisticamente, o CBMRR registra um maior número de ocorrências no mês de janeiro e no período entre maio e julho. No ano de 2018, 17 ocorrências foram atendidas em janeiro, 20 em maio, 20 em junho e 17 em julho. As demais ocorrências estão distribuídas quase que igualitariamente nos demais meses.