Imprimir esta página
Quinta, 06 Agosto 2020 00:26

VIGILÂNCIA SANITÁRIA | Em Roraima ações são executadas de forma integrada com os municípios Destaque

Escrito por ASCOM SESAU
O trabalho inclui a orientação e a fiscalização em ambientes de baixo, médio e alto risco O trabalho inclui a orientação e a fiscalização em ambientes de baixo, médio e alto risco Ascom Sesau

No mês de agosto o trabalho da Vigilância Sanitária ganha destaque. É essa área que cuida de todo o acompanhamento e fiscalização de ambientes de baixo, médio e alto risco de atividades de interesse sanitário. Em Roraima, o Departamento Estadual de Vigilância Sanitária celebra a data com o fortalecimento do trabalho integrado junto aos municípios.

A diretora explica que de forma geral as ações são coordenadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e executadas nas esferas estadual e municipal, por meio das pactuações. O trabalho consiste no acompanhamento com base no risco sanitário e dependendo da complexidade as competências são divididas entre os gestores federal, estadual e municipal.  

“Nosso trabalho é atuar com foco no risco sanitário, então seguimos as diretrizes nacionais e estaduais, por meio do trabalho conjunto com os municípios buscamos com que estas diretrizes sejam cumpridas na prática. Esse monitoramento inclui serviços de saúde, alimentação, saneantes, agrotóxicos entre outras áreas que merecem acompanhamento”, esclareceu.

Conforme a diretora do DVS (Departamento de Vigilância Sanitária), Mayara Bianca Pimentel, no setor existe uma série de ações que são executadas pela vigilância, para que sejam minimizados os riscos sanitários e com isso promover a defesa da vida e a promoção de saúde da população. Ela enfatiza que a vigilância também faz um trabalho de orientação.

“Temos uma equipe toda disponível para esclarecer as dúvidas ou questionamentos dos profissionais que atuam nas empresas ou estabelecimentos fiscalizados pela vigilância. Para ter acesso ao DVS basta que o empresário venha ao departamento que funciona na sede da CGVS (Coordenadora Geral de Vigilância em Saúde), no bairro São Francisco, e consultar junto à equipe. Além disso, trabalhamos por demanda e por denúncia, ou seja, a população também pode nos  ajudar”, complementou. 

 

 

--