Quinta, 21 Mai 2020 20:07

RECURSOS HÍDRICOS Femarh adquire reagentes de mercúrio para avaliar águas de rios do Estado Destaque

Escrito por CÍNTIA SCHULZE
Os reagentes serão utilizados para testes em alguns rios de Roraima, a fim de avaliar a presença de mercúrio possivelmente oriundos das regiões de garimpos ilegais do Estado   Os reagentes serão utilizados para testes em alguns rios de Roraima, a fim de avaliar a presença de mercúrio possivelmente oriundos das regiões de garimpos ilegais do Estado Ascom/Femarh

Reagentes de mercúrio serão utilizados em testes da qualidade da água em alguns rios de Roraima. Os reagentes foram adquiridos e recebidos nesta semana pela Femarh (Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídrico), por intermédio da Diretoria de Recursos Hídricos (DRHI).

As ações fazem parte das metas de monitoramento e divulgação de dados de qualidade da água no âmbito do Qualiágua (Programa de Estímulo à Divulgação de Dados de Qualidade de Água), contrato firmado entre Femarh e ANA (Agência Nacional de Águas).

De acordo com Rogeano Gonçalves, chefe da Divisão de Planejamento Hídrico da Femarh, esses reagentes foram adquiridos a fim de avaliar e verificar se realmente o mercúrio oriundo dos garimpos ilegais está sendo lançado nos rios de Roraima.

 “A ação será realizada em parceria com a Caer [Companhia de Águas e Esgotos de Roraima], com a qual já temos um termo de cooperação técnica firmado, onde fazemos o monitoramento dos rios e realizamos as coletas, ações estas que desenvolvemos através do programa Qualiágia”, destacou.

 Segundo Rogeano Gonçalves, o convênio iniciou em 2016 e desde então a equipe da instituição vem cumprindo o contrato com a ANA no monitoramento da qualidade da água dos rios de Roraima. Com o emprego de uma sonda, os técnicos da Femarh coletam dados relativos à temperatura do ar, temperatura da água, PH, oxigênio dissolvido, oxigênio saturado e turbidez.

 “Os principais rios que possivelmente podem estar sendo afetados pelo garimpo ilegal são o rio Mucajaí, Urariocoera e Amajari, bem como o nosso rio Branco”, disse.

RNQA - Criada em 2013, a Rede Nacional de Monitoramento da Qualidade da Água propõe a padronização dos dados coletados, dos procedimentos de coleta e da análise laboratorial dos parâmetros qualitativos para que seja possível comparar as informações obtidas nas diferentes unidades da Federação.

A meta é que até dezembro de 2020 todos os estados e o DF contem com um total de 4.450 pontos de monitoramento, dos quais, aproximadamente 1,8 mil já estão em operação. Todos os dados obtidos pela RNQA serão armazenados no HidroWeb (Sistema de Informações Hidrológicas) da ANA e serão integrados e divulgados através do Sistema Nacional de Informação sobre Recursos Hídricos.