BAIXO RIO BRANCO – Comunidades recebem atendimentos ofertados pelo Governo do Estado

123

JOHANN BARBOSA

 Fotos: Secom/RR

“Quantos anos a senhora tem?” “Eu nasci em 1950.” Depois disso, um abraço carinhoso, e dona Maria de  Lourdes Rosa, nos altos dos seus 68 anos, agora contabilizados, se despediu. Moradora da comunidade Canauini, às margens do rio Amajaú, município de Caracaraí, ela recebeu um kit com carrinho de mão, cavados, bomba costal, plantador, enxada, facão e a cerca para ela montar um galinheiro. “Vou fazer tudo sozinha. Disposição eu tenho de sobra”, disse sorrindo.

Dona Maria foi apenas uma das centenas de pessoas que já foram atendidas pela Caravana do Povo na região do Baixo Rio Branco. Além de Canauini, já foram atendidas as comunidades de Santa Maria do Boiaçú, às margens do rio Branco, em Rorainópolis; Terra Preta e Lago Grande, as duas no rio Xeriuini, em Caracaraí; Cachoeirinha, no rio Amajaú, em Caracaraí e Caicubi, no rio Jufariz, um braço do rio Negro, no município de Caracaraí.

A governadora Suely Campos visitou algumas comunidades nos primeiros dias de Caravana. E agora, na segunda semana de atendimentos, retorna à região. “Estamos acompanhando de perto tudo o que essa população precisa, para que as ações do Governo de Roraima estejam mais próximas dessas pessoas”, disse Suely.

A embarcação que percorre os rios da região leva cerca de 50 pessoas, responsáveis por oferecer diversos tipos de atendimentos. Seis médicos fazem consultas nas áreas de oftalmologia, pediatria, cardiologia, clínica geral e ginecologia. Logo na consulta o paciente recebe a medicação prescrita pelo médico. Uma equipe vai confeccionar os óculos e em outro momento serão entregues aos pacientes.

Também são realizados exames de preventivo, atualização da caderneta de vacina, teste de malária, cadastro nos programas Balcão de Ferramentas e Crédito do Povo. “Tudo isso somado à presença da equipe de Governo que ouve os anseios dessa população. Eles nos procuram para dizer o que necessitam. Para agradecer e também para pedir apoio no sentido de buscar o desenvolvimento das comunidades”, disse Adolpho Brasil, coordenador da Caravana.

É MENINA – Aos 17 anos, grávida do segundo filho, Isabel Santana demonstrava mais que ansiedade quando realizava o primeiro exame de ultrassom da gravidez de sete meses. A timidez não escondeu o desejo dela naquele momento. “Quero saber se é menino ou menina”. O bebê não queria se mostrar, mas a experiência do médico ajudou a atender a vontade da mãe. “Pronto, agora deu pra ver. É menina!”

“É muito bom esse tipo de atendimento chegar à nossa comunidade. Muitas vezes precisamos ir ao Amazonas, que acaba sendo mais perto, mas agora contamos com o médico na nossa comunidade. Estou muito feliz e espero que a Caravana venha outras vezes”, disse a jovem moradora da comunidade de Cachoeirinha.

PRÓXIMAS PARADAS – A embarcação da Caravana ainda segue viagem. “Vamos percorrer comunidades em outros rios, como o Branco e o Jauaperi. É uma união de esforços dessa grande equipe, convivendo em harmonia nessa viagem e com bastante disposição para atender todas as pessoas que buscarem nossa ajuda, nas comunidades por onde passarmos”, disse Gilzimar Barbosa, secretário estadual de Agricultura, um dos coordenadores da Caravana do Baixo Rio Branco.